Viajar descongestiona o cérebro

“Viajar descongestiona o cérebro”

Escutei esta frase em 2007 de um senhor em Rondônia, enquanto atravessávamos um rio de balsa. O Peru de um lado, o Brasil do outro e ele intrigado, querendo descobrir o que alguém “do sul” estava fazendo ali, sem uma razão específica. Eu estava somente viajando. Ele parou, pensou um pouco e me disse estas palavras que me seguem em cada viagem e que dão o título ao meu primeiro post.

Mapas sempre me fascinaram. Lembro que ainda criança, com meus 10 anos, eu ligava para as companhias aéreas com a minha voz sem sinal de puberdade e perguntava o valor da passagem Rio-Paris ou Rio-NY. Meus pais, sempre muito caseiros, não queriam ir nem mesmo a Minas Gerais, nosso Estado vizinho, e eu inocentemente sonhava com aqueles lugares que via nos atlas.

Lembro também que eu girava o globo, como todas as crianças que viraram viajantes ou não, para saber o próximo destino da minha imaginação. “Camboja” hahahahaha Riam-se meus primos, achando que meus únicos interesses fossem a Velha Europa e a terra do Tio Sam. Engano deles. “Camboja? Por que não?” Lá ia eu aos livros buscar informação sobre o desconhecido país (naquela época ninguém tinha internet em casa e não havia wikipedia).

Meu irmão mais novo também sofria com os meus devaneios. “Quais são as maiores pontes do mundo?”, eu perguntava. “Não sei”, respondia meu irmão. “Então estude a página 132 da enciclopédia e você vai saber. Mais tarde eu vou te perguntar e espero que tenha memorizado tudo”. E assim fazíamos. Até hoje meu irmão sabe o nome das pontes (ou pelo menos daquelas que eram as maiores pontes do mundo em 1995)…

O tempo foi passando e a vontade de conhecer as tais pontes, ver as cores reais e sentir o cheiro do que eu só conhecia pelos livros ia aumentando.

Em 2003, tive a sorte de conhecer um jornalista na plataforma da estação de trem da Uerj, onde eu estudava Comunicação Social. Marco Fonseca havia morado muito tempo nos EUA e quando eu falei do meu sonho de sair do Brasil, ele foi simples e direto: “E por que você não sai então?”. Aquela pergunta, tão óbvia mas dita no momento certo da maneira certa, foi o que me levou a comprar um guia (da Europa) e começar a viajar naquelas páginas de maneira mais séria, fazendo planos e vendo como eu poderia concretizar aquele sonho.

Um ano mais tarde, depois de muita economia do dinheir(inh)o que eu recebia no estágio, dei o primeiro salto – embarquei para Londres de mala e cuia, para uma temporada de seis meses. Isso foi há oito anos e a temporada durou mais do que eu imaginava.

Nestes oito anos, tive a oportunidade de morar em cinco cidades – Londres, Lisboa, Madri, Moscou e Cairo. E uma pergunta (quase sempre inquisidora) me perseguia: “Você é jornalista, conhece quase 1/3 dos países do mundo e não tem um blog de viagem?”.

Sim, agora eu tenho um blog – O Mundano. Espero que os futuros posts possam apresentar aos leitores um pouquinho do maravilhoso que é este mundo, sem juízos de valores e com a mente aberta para novas culturas (por mais estranhas que às vezes elas possam parecer).

O Mundano não tem intenção de competir com os guias de viagem consagrados, que contam com grandes e ótimas equipes.

O Mundano tem como único objetivo aguçar a curiosidade do leitor e mostrar que o mundo é muito mais do que a Torre Eiffel ou a Estátua da Liberdade.

O Mundano acredita que são as pessoas que fazem a beleza de um local e como há pessoas belas em todo o mundo, os quatro cantos do planeta merecem ser visitados.

Obviamente teremos dicas práticas (é por isso que você está lendo este blog, provavelmente), mas contarei muitas histórias e experiências também.

O Mundano tem este nome porque apesar de ser escrito por um carioca da gema, com seus princípios e limitações, pretende mostrar que quando colocamos a mochila nas contas, muitos dos nossos valores e tradições devem ser deixados em casa. Assim estaremos mais abertos a entender as novas culturas e hábitos.

O blog está sendo lançado hoje, 25 de julho, porque há exatos oito anos eu estava chegando em um país diferente pela primeira vez. E amanhã estou na estrada novamente, rumo a Kiev.

Olhando meus e-mails antigos, achei a primeira mensagem que enviei de Londres para os meus amigos no Brasil. É engraçado, quase infantil (eu tinha 19 anos), mas algumas coisas ainda são verdadeiras:
“Ah! No avião descobri que a gente pode enrolar em todas as línguas e que, no final das contas, se ninguém entender, você apenas sorri.”

Quanta verdade nesta primeira impressão!

Bem, depois de 60 países e territórios visitados, além das bandeiras, fotos, vistos e carimbos, eu me orgulho de estar colecionando pessoas e experiências. Parece brega, mas acreditem – o melhor do mundo são as pessoas.

Boa leitura e boa viagem!

Onde tudo começou - Londres 2004

Onde tudo começou – Londres 2004

Anúncios
Categorias: Uncategorized | Tags: , , | 5 Comentários

Navegação de Posts

5 opiniões sobre “Viajar descongestiona o cérebro

  1. Érica

    Ah, Sandro, quem diria que vc tinha todos esses planos e só me disse um décimo de tudo para me convencer a ir a Londres… Quem diria que essa viagem mudaria tanto nossas vidas, apesar de a minha ainda estar mais na fase de preparação, hehehe… Sucesso no seu blog!

  2. Muito legal, Sandro! Finalmente o blog 🙂 Esta foto é das antigas! Bom texto, vamos descongestionar a vida toda o cérebro! Beijos

  3. Marco Fonseca

    Viajar derruba preconceitos ….muito honrado com a referencia e a lembrança. Sorte no mundo !

  4. Adorei o blog… Muito diferentes dos que vejo por aí, a maioria, burguesíssimos e nada aventureiros! Mas a sua foto sem os caracois dos cabelos…Hihihi
    Abs
    J

  5. Nia

    Vi uma postagem sua no Mochileiros sobre a Transiberiana – um dos sonhos à realizar – e passei por aqui pra ler… Parabéns pelo blog e pela atitude. Ah, e pelas ótimas dicas práticas, pode continuar…rs
    Boa Viagem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: